Posts com a tag ‘colunas’


Top Ten Tuesday: Dez personagens que me ajudariam a organizar uma festa de aniversário

Olááá,

Bom, o Top Ten Tuesday dessa semana era um pouco livre. Eu tinha que começar com “Dez personagens…” e o restante eu deveria completar. Fiquei pensando em um tema que fosse diferente dos que eu já tivesse feito.  O tema que eu escolhi foi “Dez personagens que me ajudariam a organizar uma festa de aniversário”! Afinal, cada personagem tem um talento diferente – e organizar uma festa dá muito trabalho! Ufa!

Lembrando que o Top Ten Tuesday é meme literário criado pelo blog The Broke and the Bookish!

Continue lendo…




Narrativas no Por Essas Páginas: Bem-vindos + TAG Minha vida literária

Oi pessoal,

meu nome é Alessandra Gilos, mas pode me chamar de Alê. Sou blogueira, youtuber e também – obviamente, deduzo – leitora compulsiva e adoradora de livros, tal como colecionadora aficionada. Ah, e sim, sou a mais nova colunista do Por Essas Páginas, não apenas contribuindo com mais conteúdo diretamente aqui no site, mas principalmente estreando no mais novo canal do blog: o youtube!

Assim, é com imenso prazer que venho apresentar não apenas a mim, como também a parceria do Narrativas da Cidade – meu blog e canal do YT – com o Por Essas Páginas: Narrativas no Por essas Páginas, em uma adição de formato que vocês com certeza irão amar.

Continue lendo…




Meu autor de cabeceira: Jojo Moyes

Foi muito difícil escolher sobre quem falar nesse Meu autor de cabeceira. Nos últimos meses, conheci diversos autores maravilhosos e com certeza irei acompanhar todas as obras deles. Acabei escolhendo a Jojo Moyes porque os livros dela são maravilhosos e infelizmente ela não recebe o destaque que merece.

jojo moyesJojo Moyes nasceu em 1969 em Londres.  Depois de vários trabalhos que incluiram digitar documentos em braile para pessoas cegas  e escrever brochuras, ela estudou na Royal Holloway e Bedford New College, London University. Em 1992, ela ganhou uma bolsa financiada pelo jornal The Independent para participar do curso de pós-graduação em jornalismo jornal na City University. Ela trabalhou como jornalista durante 10 anos, incluindo nove anos no The Independent, onde ela trabalhou como repórter, editora assistente de notícias e correspondente de artes.

Quando Jojo teve o seu primeiro filho, ela percebeu que seria difícil conciliar a sua carreira de repórter com a nova rotina de mãe, já que ela viajava muito. Ela começou a escrever um romance durante o seu tempo livre. Um livro acabou virando três e todos eles foram rejeitados. O quarto livro seria a última tentativa dela, já que estava grávida do segundo filho. Ela escreveu somente três capítulos, participou de  um leilão, e o seu sonho se tornou realidade: seis editoras queriam publicá-la. Jojo começou a trabalhar em tempo integral como escritora em 2002, quando o seu primeiro livro, Sheltering Rain, foi publicado. Atualmente ela já escreveu doze livros! Jojo é uma das poucas escritoras que ganhou o Romantic Novelist’s Award duas vezes. Primeiro, ela ganhou com o livro Foreign Fruit (2004) e em 2011 ela venceu com o livro A última carta de amor.

Continue lendo…




Top Ten Tuesday: Dez coisas para fazer relacionadas a livros

ttt2013

 Olá! Eu mudei um pouco o título do top ten de hoje, ele seria basicamente sobre “dez coisas que quero fazer relacionadas aos meus livros antes de morrer”. Complicado, não? Enfim, é uma lista de coisas para se fazer em longo prazo e por enquanto consegui pensar apenas nessas que listei a seguir.

O Top Ten Tuesday é um meme literário idealizado pelo blog The Broke and the Bookish.

Continue lendo…




Outras páginas: Mangá Cavaleiros do Zodíaco

cavaleiros do zodiaco

Embora Cavaleiros do Zodíaco não seja a minha saga de mangás preferida, ela foi a primeira que li, então nada mais justo do que colocá-la nessa coluna.

Então, com licença, vou contar um pouco como conheci essa saga.

Em 1994,  a extinta (e saudosa) TV Manchete começou a exibir alguns animes, dentre eles Os cavaleiros do zodíaco. No começo eu me rachava de rir com aquela abertura e a música brega (sim, eu achava porque não admitia que GOSTAVA – ainda acho um pouco brega, mas penso nela com carinho hoje) e que de tão chiclete acabei decorando, mas que chamou minha atenção e assim acabei me acostumando e me afeiçoando à série. Depois de alguns anos é que veio a conclusão do anime, que passou por três sagas. Na época, eu lia a revista Herói (da editora Conrad), que mostrava as prévias de alguns capítulos e depois mostrou/contou como foi a última saga do mangá, que não foi adaptada para animação (isso mudou por volta de 2005).

Continue lendo…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...