Posts com a tag ‘comédia’


A Cuca Recomenda: Os Viúvos

Todo mundo sabe que a Cuca ama Mario Prata. Assim, amo mesmo, do fundo do coração. Então é ao Pratinha que recomendo quando quero ler um livro que tenho certeza que será bom ou então quando quero ler algo mais leve, com humor, para desanuviar das (várias!) leituras tenebrosas que faço (sim, Dias Perfeitos, eu fiquei tão traumatizada com você que procurei um livro de humor depois da leitura!). Mas acontece que, dessa vez, Os Viúvos, livro da série do detetive Ugo Fioravanti, que começou com o sensacional Sete de Paus… bem, dessa vez o livro simplesmente não atingiu todas as minhas altas expectativas. Foi um livro bom, não excepcional. E isso me deixou bem triste porque, oras, vou dizer novamente: eu amo Mario Prata. Mas nem sempre vamos amar todos os livros de nossos autores favoritos, certo?

“Os viúvos traz uma nova aventura do detetive Ugo Fioravanti e seu fiel companheiro Darwin Matarazzo na bela ilha de Florianópolis. Desta vez, o ex-policial federal e agora detetive particular, Fioravanti, terá que desvendar dois sequestros, encontrar uma mulher a pedido do príncipe de Dubai e descobrir quem é o louco remetente E.R.N., que lhe envia e-mails com desabafos sobre sua vida tediosa, seus problemas com a Receita Federal e com avisos dos vários crimes que cometerá. Será que os acontecimentos e os e-mails misteriosos têm alguma ligação? Quem é, afnal de contas, esse tal E.R.N.? Além da tumultuada rotina de uma investigação criminal, Fiora ainda precisa lidar com um triângulo amoroso envolvendo uma ex-namorada e sua filha e resolver os problemas matrimoniais de Darwin, seu assistente.” Fonte

Não existem turistas em Floripa. Existe é um bando de argentinos.




Em outras palavras: Resenha: 50 tons do Sr. Darcy

Pois é, minha gente! Nessa semana especial de Orgulho e Preconceito, resolvemos convidar mais uma amiga, a @drika, dessa vez para resenhar mais um  mash up (infame) da obra de Jane Austen e inspirado em 50 tons de cinza. O resultado vocês conferem a seguir com a resenha da nossa amiga.

Mas antes aqui vou eu brincar também com as resenhas da Mi e da Vânia, fazendo um novo mash up com a primeira frase do livro:

“É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro de posse de um belo chicote de equitação deseja um belo par de nádegas para espancar”.

CINQUENTA_TONS_DO_SR_DARCYSinopse: Imagine Elizabeth Bennet e o sr. Fitzwilliam Darcy, protagonistas de Orgulho e preconceito, deixando de lado a moral e o recato e dando vazão a seus desejos mais ocultos de forma mais pervertida que Christian Grey e Anastasia Steele, personagens de Cinquenta tons de cinza. O resultado: Cinquenta tons do sr. Darcy, a incrível e hilária paródia escrita por um famoso inglês sob o pseudônimo de Emma Thomas

 Já aviso que a classificação etária desse livro e, portanto, dessa resenha é de 18 anos!!!

Conheci melhor Jane Austen na época da faculdade e desde então sou apaixonada por suas histórias. Já os livros de E. L. James li por curiosidade, pra saber o motivo de tanto frisson e, não, não gostei… mas isso não vem ao caso nesta resenha.

O que interessa aqui é que a mistura de Austen e James ficou hilária! Achei a paródia excelente, com situações completamente inusitadas e até absurdas envolvendo a Srta. Elizabeth Bennet e o Sr. Darcy.

Continue lendo…




A Cuca Recomenda: Diário de um magro

“Um livro divertido e sensível, que conta a experiência de um magro que cai de pára-quedas num reduto de gordos e saí de lá com diversos bons amigos. Um texto irônico, descontraído e muito bem-humorado.” Fonte

Depois de ler algo longo e/ou pesado, eu gosto de ler um livro leve, depretensioso, geralmente um livro de humor ou de crônicas – ou as duas coisas juntas, como é o caso. Mario Prata nunca me decepciona nesses momentos (e em outros!).

Comprei Diário de um magro na Bienal de São Paulo, esse ano, e ele ainda estava lá até agora, paradinho na minha estante, esperando pelo momento certo de ser lido. E como eu esperava, o livro é uma delícia. Li em apenas dois dias – isso porque não o peguei para ler direto, apenas lia no ônibus ou antes de dormir.

Aventuras em um SPA!




Resenha: Samantha Sweet, executiva do lar, Sophie Kinsella

Li esse livro ano passado e simplesmente adorei. Acho que é um dos melhores de Sophia Kinsella, não sei se perde para Os segredos de Emma Corrigan (também conhecido por mim como “o livro da vergonha alheia”). Faz tempo que eu queria falar sobre ele, então vamos lá.

Sinopse: (…) Samantha Sweet é uma advogada poderosa em Londres. Trabalha dia e noite, não tem vida social e só se preocupa em ser aceita como a nova sócia do escritório. Ela está acostumada a trabalhar sob pressão, sentindo a adrenalina correr pelas veias. Até que um dia… comete uma grande mancada. Um erro tão gigantesco que pode destruir sua carreira. Samantha desmorona, foge do escritório, entra no primeiro trem que vê e vai parar no meio do nada. Ao pedir informação em uma linda mansão, é confundida com uma candidata a doméstica e lhe oferecem o emprego. Os patrões não fazem idéia de que contrataram uma advogada formada em Cambridge, com QI de 158, e que não tem a menor noção de como ligar um forno! O caos se instala quando Samantha luta com a máquina de lavar… a tábua de passar roupa… e tenta fazer cordon bleu para o jantar… Mas talvez não seja tão incapaz como doméstica quanto imagina. Talvez, com alguma ajuda, ela possa até fingir. Será que seus patrões descobrirão que sua empregada é de fato uma advogada de alto nível? Será que a antiga vida de Samantha irá alcançá-la? E, mesmo se isso acontecer, será que ela vai querer de volta? A história de uma mulher que precisa diminuir o ritmo. Encontrar-se. Apaixonar-se. E descobrir para que serve um ferro de passar. Fonte

  Continue lendo…




Resenha: Pode beijar a noiva

Sinopse: Apenas um homem poderia propor a ela casamento… Emma Van Court, dama de uma família londrina, jamais esperava ficar viúva e sem vintém na aldeia escocesa de Faires. E quando uma fortuna lhe foi prometida, se ela tornasse a se casar, a bela professora deparou-se com um mosaico de homens solteiros lutando por suas atenções, desde o pastor local até um detestável barão. Um doce beijo selaria aquele amor… James Marbury, conde de Denham, era moderno e sofisticado… E totalmente desacostumado às estradas lamacentas e aos telhados de palha de Faires, para onde viera depois de saber do falecimento de seu primo Stuart. E sem demora ficou exasperado ao descobrir que seu amor louco e intenso pela viúva Emma continuava tão forte quanto antes. Diante de tantos homens solteiros que a cortejavam, James encontrou uma única solução: oferecer-se como marido temporário para Emma… Mesmo que secretamente ele desejasse fazer seus votos durarem para sempre. Fonte

Meu primeiro livro de Patrícia Cabot, pseudônimo de Meg Cabot. Se não me engano, foi o último livro que li em 2011, mas até agora eu adiei sua resenha. Eu vou explicar o motivo logo mais.

Esse é o típico livro que eu denomino guilty pleasure literário, pelo menos para mim. É um romance histórico previsível, porém engraçadinho, de fácil leitura e que se você tiver um pouco de paciência – esse particularmente me fez ter vontade de jogá-lo na parede várias vezes e desistir de ler – consegue lê-lo em pouco tempo (não foi o meu caso, eu travei com ele).

Gente, como eu disse, o livro é previsível. Então, é fácil adivinhar o final – é óbvio, até. Mas para desencargo de consciência, aviso que talvez eu tenha me empolgado um pouco e tenha contado algum SPOILER sem querer. Aviso também que fiz isso para poder criticar um pouquinho, viu?

Beija logo, pô!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...