Posts com a tag ‘Família’


Resenha + Sorteio: Sr. Daniels

De vez em quando a gente tem que sair da zona de conforto, certo? E foi exatamente isso que fiz ao pegar Sr. Daniels, da Record, para ler. A editora gentilmente nos enviou uma cortesia e eu pensei: bem, vamos lá sair da rotina e ler um romance! E um romance bem romântico: o livro é uma versão moderna de Romeu e Julieta, cheio de referências a Shakespeare. Com uma escrita gostosa, mesmo que algumas vezes excessivamente dramática, Brittainy C. Cherry cumpre o que promete: um bom romance, para derreter os corações dos fãs do gênero.

Sr. Daniels“Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings vê sua vida mudar completamente. Além de ter de aprender a conviver sem parte de si mesma, ela precisa se adaptar a uma nova rotina. Enviada pela mãe para a casa do pai, com quem mal conviveu até então, ela viaja de trem para Edgewood, Wisconsin, carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã.

Na estação de trem Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil, e a atração é imediata. Os dois compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. Ao sentir-se esperançosa quanto a sua nova vida, Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor. E não consegue acreditar quando descobre, no primeiro dia de aula, que Daniel, o belo músico de olhos azuis com quem já está completamente envolvida, é o Sr. Daniels, seu professor de inglês.

Desorientados, eles precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, eles ainda precisam tentar de todas as formas superar os antigos problemas e sobreviver a novos e inesperados conflitos.” Fonte

Ela merecia ser amada em voz alta.




Resenha: Passarinho

Passarinho é o livro de estreia da autora Crystal Chan. E, talvez exatamente por esse motivo, a obra é uma montanha russa de estilo, misturando inexperiência literária, evolução de escrita e uma história sensível que poderia tocar mais se a escritora tivesse trabalhado mais no livro e em sua escrita. Confesso que esperava mais da obra esperava me emocionar e não foi o que aconteceu. Ainda assim, Passarinho é um belo livro sobre amizade, família e luto.

PASSARINHO“O avô de Joia parou de falar no dia em que matou o irmão dela. O menino se chamava John, e achava que tinha asas. Subia e saltava do alto de qualquer coisa, até ganhar do avô o apelido de Passarinho. Joia não teve a chance de conhecê-lo, pois Passarinho se jogou do penhasco bem no dia em que ela nasceu. Ainda assim, por muito tempo ela viveu à sombra de suas asas. Agora, aos doze anos, Joia mora em uma casa tomada por silêncio e segredos. Os pais culpam o avô pela tragédia do passado, atribuem a ele a má sorte da família. Joia tem certeza de que nunca será tão amada quanto o irmão, até que ela conhece um garoto misterioso no alto de uma árvore. Um garoto que também se chama John. O avô está convencido de que esse novo amigo é um duppy — um espírito maldoso —, mas Joia sabe que isso não é verdade. E talvez em John esteja a chave para quebrar a maldição que recaiu sobre sua família desde que Passarinho morreu.” Fonte

Se você entrega muito de si a alguém, rápido demais, essa pessoa pode simplesmente ir embora e levar tudo.




Resenha: Menino de Ouro

Recebi Menino de Ouro da Globo Livros no mês passado; por causa de outras leituras, ele foi ficando pra trás, mas durante a Maratona Literária decidi que precisava lê-lo. E devo confessar que me arrependi… de não lê-lo ANTES! Sério, gente, subam esse livro na pilha de leitura de vocês, corram para adquiri-lo, porque é aquele tipo de livro que a gente quer que todo mundo leia porque é muito, muito bom! Devorei em três dias, mas só foi isso porque precisei fazer mais coisas, senão teria lido em um. É o tipo de livro que você não quer largar. Preparem-se para uma resenha muito empolgada.

“A família de Max não permitiria nenhum desvio na imagem perfeita que havia construído. Karen, a mãe, é uma advogada renomada, determinada a manter a fachada de boa mãe, esposa e profissional. Steve, o pai, é o exemplo do chefe de família presente em sua comunidade, favorito a um importante cargo público. O ponto fora da curva é Daniel, o caçula, que, para os padrões da família Walker, é “estranho”: não é carinhoso, inteligente ou perfeito como Max. Melhor aluno da escola, capitão do time de futebol, atlético, simpático, sucesso entre as garotas: Max, o primogênito, é o menino de ouro. Ninguém poderia dizer que sua vida não é perfeitamente normal. Ninguém poderia dizer que Max esconde um segredo.” Fonte

Se tiver medo, você nunca vai viver. Você precisa de coragem para viver.




Resenha: Sem tempo para despedidas

Quando li a sinopse desse thriller da Editora Record, fiquei bastante intrigada. Esse tema de uma família inteira desaparecida, sem pistas, por 25 anos, era no mínimo intrigante. Fiquei bem curiosa. Porém, quando comecei a ler o livro percebi que ele não era tudo aquilo que eu esperava, infelizmente.

“Quando Cynthia acorda de ressaca numa manhã, percebe o silêncio que impera em casa. Ela logo nota que, sem qualquer explicação, todos os membros de sua família desapareceram sem vestígios. Vinte e cinco anos se passam e ela ainda sofre com o mistério. Casada e com uma filha pequena, teme que uma tragédia similar ocorra com sua nova família. Assim, Cynthia aceita participar de um programa de TV para reviver o caso, com a esperança de que isso trouxesse a verdade à tona. Mas desenterrar algumas lembranças pode ser o início de um grande pesadelo…” Fonte

Continue lendo…




Resenha: Precisamos Falar Sobre o Kevin

“Para falar de Kevin Khatchadourian, 16 anos – o autor de uma chacina que liquidou sete colegas, uma professora e um servente no ginásio de um bom colégio dos subúrbios de Nova York –, Lionel Shriver não apresenta apenas mais uma história de crime, castigo e pesadelos americanos: arquiteta um romance epistolar em que Eva, a mãe do assassino, escreve cartas ao marido ausente. Nelas, ao procurar porquês, constrói uma reflexão sobre a maldade e discute um tabu: a ambivalência de certas mulheres diante da maternidade e sua influência e responsabilidade na criação de um pequeno monstro. Precisamos falar sobre o Kevin discute casamento e carreira; maternidade e família; sinceridade e alienação. Denuncia o que há de errado com culturas e sociedades contemporâneas que produzem assassinos mirins em série e pitboys. Um thriller psicanalítico no qual não se indaga quem matou, mas o que morreu. Enquanto tenta encontrar respostas para o tradicional “onde foi que eu errei?” a narradora desnuda, assombrada, uma outra interdição atávica: é possível odiarmos nossos filhos?” Fonte

Já fazia um bom tempo que eu andava intrigada com esse livro. Quando ele finalmente caiu nas minhas mãos, no começo do mês, eu pensei “agora tenho que lê-lo”, e foi um sentimento único de urgência, que fazia um bom tempo eu não tinha. Terminei minha leitura anterior e logo depois comecei o Kevin. E de começo já posso dizer que não era o que eu estava esperando – não, o livro é muito , muito melhor do eu estava esperando, na realidade.

Precisamos falar sobre esse livro…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 1 de 11