Posts com a tag ‘Morte’


Resenha: Saving June

“‘Se ela tivesse esperado menos de duas semanas, ela teria sido a June que morreu em Junho. Mas acho que minha irmã não pensou nisso.’

A irmã mais velha de Harper Scott sempre foi a filha perfeita, então quando ela tira sua própria vida uma semana antes de sua formatura no Ensino Médio, Harper fica devastada. Todos sentem muito, mas ninguém consegue entender.

Quando seus pais divorciados decidem dividir as cinzas de sua irmã entre duas urnas, Harper decide controlar a situação. Ela vai roubar as cinzas e dirigir metade do país com sua melhor amiga Laney, até chegar no lugar onde June sempre sonhou em ir: Califórnia.

Entra Jake Tolan. Ele é um rapaz com uma atitude ruim, uma obsessão por rock clássico e nada em comum com a irmã de Harper. Mas Jake tinha uma conexão com June, e quando ele insiste em ir com elas para a Califórnia, Harper está desesperada o suficiente para permitir. Com seu jeito charmoso e irritante e sua crença de que música pode te ajudar em qualquer momento, ele pode ser exatamente o que Harper precisa.

Mas June não era a única que escondia as coisas. Jake mantém um segredo que pode virar a vida de Harper de ponta cabeça.”  – Fonte (tradução livre)

There doesn’t always have to be a reason




Resenha: Dexter – A mão esquerda de Deus

“Dexter Morgan é um educado lobo vestido em pele de ovelha. Ele é atraente e charmoso, mas algo em seu passado fez com que se transformasse numa pessoa diferente. Dexter é um serial killer. Na verdade, é um assassino incomum que extermina apenas aqueles que merecem. Ao mesmo tempo, trabalha como perito da polícia de Miami… Em Dexter, a Mão Esquerda de Deus, o livro que deu origem à aclamada série de TV, o adorável matador depara-se com um concorrente de estilo semelhante ao seu, encanta-se e incomoda-se com ele, prevê seus passos… A escrita requintada de Jeff Lindsay nos faz mergulhar na mente de um dos personagens mais ambíguos da história da literatura de suspense. Nunca o macabro foi tratado com tanto refinamento e leveza. Dexter Morgan é uma obra-prima.” Fonte.

Esse é um dos livros que eu mais queria ler já há um bom tempo (desde que eu comecei a ver a série de televisão, para ser mais exata; aliás, perdoem-me, mas vou acabar falando um pouco da série aqui nessa resenha, além de falar do livro). Eu queria tanto ler esse livro, que um dia passei na livraria, naquelas vezes que entro lá só para fazer uma horinha, olhei para o título e não resisti: comprei. E olha que eu não sou de fazer isso, quem tem esse costume é nossa querida Lucy. Mas enfim, não aguentei: entrei, comprei, saí e logo comecei a ler. E devorei o livro todinho em poucos dias.

Confronte seu passageiro sombrio…




Resenha: A Cabana

“A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta a cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre. Num mundo em que religião parece tornar-se irrelevante, “A Cabana” invoca a pergunta: “Se Deus é tão poderoso e tão cheio de amor, por que não faz nada para amenizar a dor e o sofrimento do mundo?” As respostas encontradas por Mack surpreenderão você e, provavelmente, o transformarão tanto quanto ele.” Fonte

Ganhei esse livro recentemente, e foi só eu dizer para alguns conhecidos que eu o tinha e planejava lê-lo, que a maioria ficou alvoroçada. “Oh, puxa, você vai ler? Leia, leia, é muito bom!”. A maioria das pessoas o recomendava muito bem. Então acho que isso contribuiu para que eu mantivesse minhas expectativas altas demais. Apenas um amigo disse que talvez eu me decepcionasse, ou no mínimo, não concordasse com o livro. Acho que essa é a prova de que ele me conhece bem depois de sete anos de amizade. Porém, apesar dos pesares, eu consegui terminar a leitura e sair dela com uma sensação boa dentro de mim, e talvez só isso já tenha valido a pena.

Devo acrescentar que talvez tenha colocado muito do que eu acredito nessa resenha, minhas crenças pessoais, e portanto, peço desculpas porque sei que cada um tem a sua própria visão do mundo. E que graça teria também se todos pensassem o mesmo?

Quem é Deus para você?




Resenha: Os homens que não amavam as mulheres

Sinopse: Primeiro volume de trilogia cult de mistério que se tornou fenômeno mundial de vendas, Os homens que não amavam as mulheres traz uma dupla irresistível de protagonistas-detetives: o jornalista Mikael Blomkvist e a genial e perturbada hacker Lisbeth Salander. Juntos eles desvelam uma trama verdadeiramente escabrosa envolvendo a elite sueca (…). Fonte

Quem me conhece sabe que eu sou uma spoiler-queen. Leio spoilers dos livros, leio o parágrafo final do livro e geralmente não atrapalha a minha leitura. Deste livro, porém, eu me segurei. Não sei bem por que, acho que foi porque me disseram que o começo era embromação e só depois de umas 200 páginas é que eu conseguiria ler com mais entusiasmo. Talvez tenha sido esse fator que me fez deixar essa trilogia parada na minha estante por mais de dois anos. Ganhei o primeiro livro em 2010 de aniversário e depois comprei logo os outros dois, já que contraditoriamente me indicaram que era uma leitura ótima e os deixei lá parados.

Como ano passado a minha meta de leitura foi um completo fiasco, esse ano eu decidi priorizar os livros da minha estante (expliquei aqui e aqui), principalmente os de série e, aproveitando a deixa da estreia do filme americano, resolvi começar a leitura com a trilogia Millennium.

“A vingança é um motivo poderoso.” (Lisbeth Salander)




Resenha: Os 13 Porquês

“Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker – uma colega de classe e antiga paquera – que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.” Fonte

Quando uma de minhas amigas me emprestou Os 13 Porquês, ela me avisou: “não se empolgue, você não vai gostar da Hannah, ela é muito chata”. Por isso minhas expectativas não eram altas. Por isso elas foram incrivelmente superadas, porque eu me apaixonei por Hannah Baker mais do que por Clay Jensen, que – teoricamente – é o narrador do livro. Digo teoricamente porque a narrativa é dividida entre o que acontece com Clay enquanto ele ouve as fitas (seus pensamentos, sentimentos, seus arrependimentos) e as fitas em si, cujo conteúdo é inteiramente descrito nas páginas do livro. Graças a esse formato, é possível que conheçamos bem Hannah que – apesar de estar morta – tem a voz muito forte, muito presente durante toda a história.

A impressão que Hannah me passou é a de ser uma garota com baixa auto-estima, sem amigos e um tanto quanto deprimida. Diversas vezes é possível perceber que ela pede ajuda sem realmente dar a entender que é isso que está fazendo, e talvez tenha sido por isso que me identifiquei tanto com ela: porque é muito difícil admitir para os outros e para si mesmo que há algo errado e que você precisa de uma mão amiga. Mas o que realmente me chamou a atenção foi a cadeia de consequências que cada uma de nossas ações têm. Cada palavra, cada gesto, cada ação banal que fazemos ou deixamos de fazer são sentidas de maneiras diferentes por pessoas diferentes, e têm suas consequências – boas ou ruins. Nós afetamos as pessoas ao nosso redor positiva ou negativamente, e para mim essa foi a grande mensagem do livro. Escrito de maneira realista e sem açucarar as cenas mais pesadas, Os 13 Porquês deveria ser leitura obrigatória para adolescentes e todos que convivem com eles.


A capa original, que é minha favorita.

Vale lembrar que Os 13 Porquês ganhará sua versão cinematográfica ano que vem, com Selena Gomez no papel de Hannah Baker.

Ficha Técnica

Título: Os 13 Porquês
Autor: Jay Asher
Editora: Ática
Páginas: 256
Avaliação: 4 estrelas
Onde Comprar: Livraria Cultura

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Página 6 de 6« Primeira...23456