TTT: 10 livros que me fazem pensar no mundo, nas pessoas, na vida…

Hoje é dia de reflexão no Top Ten Tuesday. É dia de pensar na vida, no mundo, no universo e na morte da bezerra. É dia de ler livros e refletir. E quais são os livros que me fazem refletir? Eu digo os meus e depois você diz os seus, nos comentários!

Lembrando que o Top Ten Tuesday é uma iniciativa do blog The Broke and the Bookish.

Éramos SeisMaria José Dupré

Esse é um livro que eu gostaria de reler; quando o li, tinha apenas uns oito ou nove anos, e não acho que tinha maturidade suficiente para apreender tudo o que ele trazia. Mesmo assim, lembro que foi um livro que me emocionou muito e me prendeu na leitura até que eu alcançasse as últimas páginas. O livro narra a história de Dona Lola, uma mulher batalhadora, seu marido e sua família, e como, no decorrer da vida, eles, que eram seis, tornaram-se apenas um, quando Dona Lola, já na velhice, acaba indo para um asilo. É um livro para refletir sobre a vida, sobre nossos amores, nossas perdas. Na verdade, não existem culpados para as tristezas; é somente a vida que acontece, do jeito dela.

As Vidas de Chico XavierMarcel Souto Maior

Certamente já falei desse livro em algum TTT. Mas é que ele realmente é um livro que marca quem o lê. E o motivo disso é porque ele faz o leitor refletir no sentido mais profundo da vida, no sentido de haver algum motivo para estarmos aqui. Seja qual for a crença, esse livro mostra a história de um homem que dedicou toda sua existência para ajudar os outros. E a gente aqui, na nossa vidinha egoísta. Será que estamos fazendo algo de importante com a nossa vida? É isso que o livro traz. Mostrando-nos a vida de Chico Xavier, esse livro nos faz refletir se não existe algo mais que podemos fazer com a nossa existência aqui na Terra. Ele nos faz pensar se podemos ser melhores e até acredito ser possível que as pessoas que leem esse livro se tornem realmente um pouco melhores, em algum  sentido.

A menina que roubava livrosMarkus Zusak

Para começar, esse livro é narrado pela Morte. E como no primeiro exemplo, mostra como a vida simplesmente acontece, e somos carregados pela maré. Duvido que alguém seja capaz de ler esse livro sem se emocionar e sem tirar algo de bom dele. Seja refletir em como temos sorte de nascermos onde nascemos e na época que nascemos, seja pensar em como nossa vida é boa perto da vida de Liesel e todas as personagens magníficas dessa história. Seja refletir em como a vida é bonita em todos os seus pequenos momentos, e como cada decisão é importante. Ou então pensar em como ainda existe bondade no mundo, porque nesse livro, apesar de se ver muita maldade, também se enxerga o lado bom das pessoas, e aí percebemos que o mundo não está completamente perdido. Talvez o mundo esteja apenas esperando que existam mais pessoas como Liesel, seu pai, sua mãe, Rudy, a mulher do prefeito, Max e tantos outros.

A CabanaWilliam P. Young

Talvez A Cabana não seja um livro muito fácil. Depois de algum tempo terminada a leitura, ainda penso se deveria lê-lo novamente. É um livro que bate de frente em muitas crenças, e não acho que exista uma só pessoa que vá ler o livro e concordar com tudo o que está ali, da mesma maneira que não acredito que uma única pessoa o leia e não consiga tirar algo dele, algo construtivo ou algo de bom. Ele mostra como a vida prega peças na gente, e tudo de repente muda e nos arrasta mas, mesmo assim, há um motivo para tudo, principalmente para as tristezas. É privilégio apenas de Mackensie que Deus apareça em pessoa para explicar tudo isso. Mas, para nós que não temos tanta sorte, fica a pergunta: será que não interpretamos corretamente os sinais? Será que Deus, ou seja lá o que você acredite ou não, não está nos mostrando que pode haver um sentido nisso tudo? Eu sei que estou sendo confusa, mas meus sentimentos quanto a esse livro são confusos.

Precisamos Falar Sobre o KevinLionel Shriver

Um livro em que a própria mãe de um assassino adolescente conta sua história (ou melhor, tragédia) é impossível não colocar o leitor para refletir, não é mesmo? Se você quer pensar na vida, nas pessoas, no mundo, e ficar viajando sobre porque, como assim, como é possível uma criança já nascer assim… diabólica, bem, esse é o seu livro. Precisamos Falar Sobre o Kevin te faz pensar em tudo isso e também em vários outros assuntos, principalmente casamento e maternidade. Faz pensar em até onde é capaz de ir a crueldade humana, mas que também é possível existir arrependimento, mesmo que seja da maneira mais estranha e bizarra possível.

A Torre NegraStephen King

A premissa dessa série é o ka.ka, como diz Roland, é uma roda. O ka é o destino, e o destino sempre volta para assombrá-lo, não importam os caminhos que sejam percorridos. Toda a série é uma longa, longa jornada, em busca de um objetivo, ou melhor, uma obsessão, e quantas vezes nós não perseguimos uma obsessão? Não importa o que fique para trás, Roland tem que encontrar a Torre. É a sua missão. Porém, o que realmente importa é o final da jornada ou a própria jornada? No final dessa série, em específico nesse último livro, fica muito claro que, realmente, o ka é uma roda. E tudo volta para o ponto de partida.

Ensaio Sobre a Cegueira, José Saramago

A palavra chave nesse livro é cegueira. A humanidade fica completamente cega nesse livro, salvando-se apenas uma mulher, que enxerga tudo o que está acontecendo, toda a degradação do mundo e das pessoas e, no final de tudo, sente-se amaldiçoada, por ser a única abençoada com a visão. Há várias interpretações que se pode retirar dessa leitura. Talvez uma das mais importantes seja que, não importa se enxergamos, a humanidade está realmente cega. Cega para o mundo, cega para a vida, cega para o que estamos fazendo uns com os outros; a maldade, a corrupção, a degradação desse mundo e das pessoas. E ninguém quer ser o único a enxergar essa tristeza.

Dom Casmurro, Machado de Assis

A primeira reflexão desse livro, a mais simples e a que gera mais discussões acaloradas até hoje é a pergunta que vai ecoar para sempre na nossa literatura: Capitu traiu ou não? Bem, é aí que repousa a reflexão que eu fiz desse livro. Para mim, Capitu não traiu. Bentinho que era louco, obcecado e inseguro, e viu tudo aquilo, sendo que tudo isso nem existia. Capitu era sim uma mulher à frente de seu tempo, muito distante do ideal dos homens da época, era um a mulher que pensava por si própria e tinha seus próprios sonhos. E isso incomodava Bentinho, que não confiava principalmente em si mesmo. Seja qual for sua opinião sobre a pergunta, a reflexão que fica é que não existe nada de bom ou saudável em um amor doentio como o de Dom Casmurro.

 A cidade do solKhaled Hosseini

Às vezes, eu acabo me repetindo, mas existem livros que não consigo deixar de insistir na leitura. A cidade do sol é um deles. Por muito tempo, após lê-lo, fiquei pensando em todas aquelas vidas trançadas e arruinadas, em como há maldade no mundo, em como a vida acontece e nos leva com ela, sem piedade, em como encontramos pessoas amadas e maravilhosas, essenciais, nas horas que mais precisamos, nas horas que nos sentimos abandonados. E mesmo assim, mesmo depois de todos os socos que a vida nos dá, ainda é possível recomeçar, ainda é possível dar algum motivo para o sofrimento, algo que valha a pena.

A Culpa é das EstrelasJonh Green

Eu não consigo deixar de falar desse livro, principalmente porque A Culpa é das Estrelas virou um livro de cabeceira meu. É uma comparação estranha, mas por um tempo ele até foi minha Bíblia. Eu o consultava para tudo, porque aquilo era muito próximo do que eu sentia e vivia. É um livro que, na verdade, você jamais vai deixar de refletir. Pelo menos eu não deixei. Vira e mexe eu penso nesse livro, nessas vidas, nessas histórias. Eu penso em como gostaria de mais números na vida de Hazel e Gus, assim como eu gostaria de mais números na vida de muitas outras pessoas. Penso no pequeno infinito que vivemos com quem amamos e em quase todas as vezes nem nos damos conta disso, não agradecemos, não dizemos o que sentimos. Quero botar a culpa em todos e em ninguém, e no final das contas, só posso colocar a culpa nas estrelas. Nas minhas estrelas.

E você, que livros o fazem refletir? Livros são sempre uma fonte de informação, entretenimento, cultura, mas também são uma forma de reflexão. Na verdade, sempre reflito com todos os livros que leio. Inclusive os ruins. Se um livro não me traz reflexão alguma, é porque não vale a pena ser lido.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Vania disse:

    50 shades of lame me fez refletir sobre COMO NESSE MUNDO as pessoas acham aquela bosta boa?

    hehehe ótimo post Parceira, eu volto outra hora pra comentar direito, só precisava fazer a piada infame.

  • Carolina disse:

    Bom dia Karen, tudo bem?
    Da sua listinha, os livros que me fazem sempre refletir são: a cidade do sol, ensaio sobre a cegueira e a menina que roubava livros. Um que eu sempre choro ao ler, é “a espera de um milagre”, tem também vidas cruzadas e a vida secreta das abelhas.. que são maravilhosos.
    Amei o post.
    beijos

  • Melissa de Sá disse:

    Adorei a piada infame da Ily! hahahahaha

    Então, eu também tenho ” A Torre Negra”, “A Culpa é das Estrelas” e “A Menina que roubava livros” como livros que nos fazem reflteir. Realmente, são leituras incríveis.

    Na minha lista estão também “A Maldição da Pedra” (que apesar do nome horrível, é uma história linda sobre família, amor e desespero), “Eu sou o mensageiro” e 1984 (não tem como não pensar depois de ler esse livro).

  • Fernando Mitchell disse:

    Ótima lista, já li quase todos e nehum fez me aprofundar seriamente na leitura como O Mundo de Sofia. Recomendo pra quem ainda pensa no ”senso comum”.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem