Top Ten Tuesday: Dez livros que eu gostaria que estivessem nas escolas

ttt2013

Gostei bastante desse tema que caiu para mim no Top Ten Tuesday, principalmente porque sempre achei que o ensino brasileiro está defasado nos livros que colocam para seus alunos lerem. Não que eu ache que os livros clássicos devam deixar as listas, como Machado de Assis, Eça de Queirós, Aluísio Azevedo e tudo mais, mas sim que livros e autores contemporâneos deveriam sim entrar nas listas também. Felizmente, vasculhando algumas listas de vestibulares, encontrei alguns nomes interessantes e fora do padrão, como Chico Buarque e Ariano Suassuna (todos torcendo aqui pela melhora dele). Como nós estamos no Brasil, essa lista é quase inteiramente nacional: quase só livros brasucas. Conveniente que a lista tenha caído justamente para a Cuca, não?

Lembrando que o Top Ten Tuesday é uma iniciativa do blog The Broke and the Bookish!

A garota do outro lado da rua, Lycia Barros [Resenha]

Esse livro é totalmente a cara de livro juvenil para ser trabalhado e discutido na escola. Tem toda aquela temática adolescente honesta, simples e com um fundo de moral. Exatamente como aqueles livros que a gente tirava da biblioteca quando estava na escola e vinham com “suplemento de leitura”.

Minhas mulheres e meus homens, Mario Prata [Resenha]

Por que eu adoro Mario Prata? Hum, não, não só por isso, mas também porque esse livro tem várias histórias sobre personagens importantes brasileiros, especialmente culturais, mas também políticos. Além de ser delicioso, também vale muito a pena ler e conhecer mais uma coisa ou outra sobre momentos e personagens brasileiros na voz do Pratinha.

Um dos livros de crônicas do Luís Fernando Veríssimo

Porque Veríssimo é Veríssimo. Porque ele é gênio. Precisa de mais algum motivo? Ponto final.

Éramos SeisMaria José Dupré 

Esse livro é incrível, sensível, brutal. Li há muitos e muitos anos, ainda em idade escolar. Talvez até o tenha lido muito cedo, pois só tinha 10 anos, mas lembro que fui completamente absorvida pela história triste e sofrida dessa família. E não é assim com todo mundo? Éramos seis… agora somos cinco… quanto seremos amanhã?

O Alquimista, Paulo Coelho

Não porque o livro seja bom… não é. Quer dizer, eu detestei quando li. Achei horrível. Mas sim porque, quer a gente queira, quer não, Paulo Coelho é o escritor brasileiro de maior sucesso no mundo e é preciso que as pessoas o conheçam, ao menos.

Ensaio sobre a cegueira, José Saramago

Não é brasileiro, ok, mas Saramago é indispensável e um expoente na língua portuguesa. E esse livro é um maravilhoso tapa na cara da sociedade. Dá para construir muitas e muitas discussões interessantes com ele, debater em sala de aula então seria enriquecedor.

Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos, Roberta Spindler e Oriana Comesanha [Resenha]

Porque fantasia e, principalmente, boa fantasia brasileira deveria ter local cativo nas escolas. Porque esse livro é uma das melhores fantasias que já li – brasileiras ou não. Os jovens precisam ler coisas interessantes, bacanas e que eles se identifiquem, para criarem o hábito de ler, não por obrigação, mas sim por prazer.

Estrangeiros, mas indispensáveis:

Fale!, Laurie Halse Anderson [Resenha]

Porque é um alerta contra o abuso sexual velado que existe sim na sociedade e também entre os jovens. É um livro responsável, com uma mensagem brutal e importantíssima acerca da violência sexual. É um livro que soca nosso estômago com sua honestidade dolorosa. E a edição brasileira foi muito cuidadosa, inclusive colocando no final estatísticas sobre o assunto no Brasil, com meios de contatos etc.

Garotas de Vidro, Laurie Halse Anderson [Resenha]

Porque é outro alerta, dessa vez contra a indústria da imagem que sufoca e mata as garotas ainda em tenra idade. É um livro que trata franca, sensível e abertamente sobre os temas da anorexia e da bulimia, tão importantes de serem discutidos entre os jovens hoje em dia.

3096 dias, Natasha Kampusch

É um relato verdadeiro e cruel sobre a adolescência de Natasha Kampusch, sequestrada aos 10 anos e mantida em cativeiro por 3096 dias. Ela cresceu e se tornou mulher com esse carrasco, ficou afastada da família e perdeu completamente o final da sua infância e a adolescência. É brutal, mas é importante para trazer as pessoas de volta à realidade e abrir alguns olhos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • ana paula ramos disse:

    Ola

    achei bem bacana sua lista. Concordo que devemos incentivar com autores contemporâneos, para ter maior conhecimento sim, mas os livros mais parecidos com a realidade, eu acho que ajuda mais no interesse da leitura nessa fase, fica muito mais gostoso de ler!
    Já li, da sua lista, “eramos seis” a muito, muito tempo atras.. e li a pouco tempo garotas de vidro – É sensacional este livro.. recomendadíssimo!
    Quero muito ler ainda contos de meigan e fale!

    bjos

  • Karen disse:

    Obrigada, Ana! Acho mesmo como você muito importante incentivar o prazer pela leitura, não a obrigação. E ler coisas que as crianças e os adolescentes se identifiquem é fundamental.
    Éramos Seis foi mesmo muito tocante. Nunca esqueci a leitura, o momento em que terminei o livro, e olha que eu era bem nova.
    Leia sim Contos de Meigan e Fale! São ótimos!

  • Melissa de Sá disse:

    Muito boa a lista!

    Eu li “Éramos Seis” também e foi realmente um chacoalhão. O livro é bem triste, mas traz questões importantes. Na época, lembro que gostei muito de ter lido.

    Um livro que eu acrescentaria nessa lista é “Looking for Alaska” do John Green. Acho que é um livro essencial por tratar de sexo, bebida e cigarro de uma forma menos moralista e mais real.

    O problema é que muitas escolas (incluo aí as públicas, que utilizam listas aprovadas pelo MEC) ainda têm em mente que não pode usar livro que tenha cena de sexo em sala de aula. Eu acho isso uma decisão pobre e um tanto hipócrita, até porque os alunos têm contato com sexo todos os dias na internet e na TV. Não levar isso pra sala de aula é perder uma chance de discutir o assunto de uma forma mais ponderada e real. Claro que não é pra levar “50 tons de cinza” na aula, mas sim livros que trazem essa temática de uma forma que dê pra debater. Sexo na adolescência, violência sexual, sexualidade, enfim, são temas que precisam ser debatidos sempre.

    Outras temas importantes pra se debater são os que você citou aí: bulimia, anorexia, história do Brasil. Eu acrescentaria também alguma coisa sobre capitalismo e consumismo. Um livro (na verdade é uma peça de teatro, então é fácil de ler) é a “A Morte do Caixeiro Viajante”. Mas tem outros títulos que abordam o tema. Eu só não me lembro agora. 🙂

  • Karen disse:

    Você leu Éramos Seis com quantos anos, Mel? Eu li faz tanto tanto tempo, mas ainda me lembro da sensação que o livro causou e da situação em que eu estava quando terminei a leitura. Foi super marcante.
    Tem razão: Looking for Alaska é uma excelente adição à lista. É mesmo hipocrisia esconder o assunto sexo das escolas quando ele está tão explícito na mídia. Seria uma bela oportunidade de discussões interessantes. Eu quis me manter mais em livros brasileiros/ de língua portuguesa na minha lista. Mas alguns livros estrangeiros deveriam sim ser aproveitados aqui.
    Hum, eu não tinha nenhum livro em mente sobre capitalismo e consumismo, mas também é um tema muito bom para debater. =)

  • Shadai disse:

    Muitos livros brutais hein? E eu leigo não li nenhum, apenas vi o filme do Ensaio Sobre A Cegueira e quero muito ler Fale!
    Do Paulo Coelho, esse é o mais vendido, mas Veronika Decide Morrer falam que é o melhor dele.

  • Karen disse:

    Pois é! Já deu pra ver como vou educar meus filhos né? Vou ser uma mãe meio bruta! huahuahuahuahuahua 😀
    Ensaio Sobre a Cegueira é muito, muito bom. Se você gostou do filme, que foi bem adaptado, vai gostar do livro, mas saiba que o Saramago não gosta de parágrafos…
    Não li Veronika Decide Morrer… dizem mesmo que é o melhor, mas depois que li O Alquimista não consegui ler mais nada dele. Talvez eu deva dar mais uma chance.

  • Jullyane Prado disse:

    Gostei da sua lista, super interessante, é realmente tem uns livros que seriam legais de ser discutidos e trabalhados na escola , como por exemplo Vida de droga, sozinha no mundo, a queda e tantos outros e esses que vc citou.

  • Karen disse:

    Obrigada, Jullyane! Pois é, tem muita coisa bacana para se ler na escola e elas continuam insistindo nos mesmos. Cansa!

  • Lucas Grima disse:

    Esse post foi um tapa na minha cara e bem surpreendente. Alguns títulos presentes eu não conhecia, não sabia que “Éramos Seis” tinha um livro. Eu assisti a reprise novela, era gurizinho, mais adorava. Concordo com cada vírgula do post. É claro que nós devemos ler os clássicos, mais isso deve partir de uma escolha do próprio estudante. Eu li “Dom Casmurro” quando estava na 7ª série e foi um choque para mim, não compreendia muitas coisas. O mesmo ocorreu com “O Cortiço”, até hoje luto para tentar lê-lo novamente, mais acabo enfiando outros livros na frente adiando cada vez mais a leitura. Agora “O Alquimista” é vida. <3 ( e olha que eu nem li na escola).

  • Karen disse:

    Opa! Uau, Lucas, obrigada! rs =)
    Éramos Seis é muito bom. Recomendo mesmo, cheguei a ver um pouco da novela só, mas o livro foi ótimo. Nossa… 7ª série foi mesmo muito cedo para ler Machadão. Eu li acho que estava no primeiro ou segundo colegial, e mesmo assim acho que era imatura. O meu preferido do Machado e que eu gostei mesmo na época foi Memórias Póstumas.
    O Cortiço eu não consegui. Li o resumo para a prova e para o vestibular. Argh.

  • Lucy disse:

    Sempre que falam de Éramos seis, eu lembro da música de abertura da novela que é Valsinha, do Chico Buarque. 🙂
    Estou louca pra ler Fale! e Ensaio sobre a cegueira e Contos de Meigan. Muitos livros, pouco tempo @__@
    A garota do outro lado da rua me lembrou dos livros do estilo do Pedro Bandeira, como A marca de uma lágrima. Eu lia aquele livro mês sim, mês não! hahaha Muito bom!
    Sua lista está muito boa, Kakazinha! Acho que tem temas bastantes atuais para pessoas de todas as idades.
    Bjs bjs

  • Karen disse:

    Obrigada, Lu!! *___*
    A garota do outro lado da rua é tão delicinha né? Adoro esse livro.
    Cara, você precisa ler esses livros. Mas eu entendo, é pouco tempo, muitos livros! rs
    Tentei me manter em vários temas e priorizar livros nacionais. Fico feliz que curtiu! 😀

  • Michelle Agda disse:

    Adorei as sugestões! Já li Comédias Para Se Ler Na Escola, mas tenho vontade mesmo de ler ‘Fale!’ e ‘Garotas de Vidro’ 🙂

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem