Top Ten Tuesday: Dez romances preferidos e preteridos

ttt2013

Estou bem longe, a anos-luz de distância, de ser uma pessoa romântica. Nem na vida pessoal sou romântica (me considero carinhosa, mas independente, o que significa que não grudo em ninguém – nem no marido!), e se não sou assim na vida real, na vida literária então… VISH! Leio bem poucos romances, muitas vezes só pra sair da zona de conforto mesmo e ler uma coisa diferente. Tive que caçar bastante na minha estante do Skoob, mas eis que consegui, e aí vai a lista dos meus dez romances: os cinco preferidos… e os cinco preteridos! Vamos lá?

Lembrando que o Top Ten Tuesday é uma iniciativa do blog The Broke and the Bookish!

Preferidos

superdesapegada-capaSuper Desapegada, Jaqueline de Marco (resenha)

Esse chick-lit é muito fofo e super divertido! Além do mais, tem o plus de se passar em cenários bem conhecidos para mim e que, claro, eu adoro: entre São Paulo e a Baixada Santista. Jaqueline de Marco conduz a obra com leveza, encantando em cada página. As situações variam de engraçadíssimas a momentos awwn que conseguiram derreter até meu coraçãozinho gelado.

A Culpa é das Estrelas, John Green (resenha)

Tem como não morrer de chorar lendo esse livro? Ele tem um romance sensível entre dois adolescentes partidos: ambos têm câncer e o final da sua história de amor é, claro, inevitável. Li o livro três vezes seguidas. Sou muito agradecida a ele. Estava em um momento difícil da minha vida, com minha mãe lutando contra o câncer, e o livro me ajudou a passar aquelas horas horríveis no hospital, além do que me lembrou que não era somente eu que estava passando por uma situação terrível no mundo.

awn

Uma história de amor e TOC, Corey Ann Haydu (resenha)

Li esse livro sem expectativas, nem lembro porque, mas terminei amando. O livro não se trata apenas de um romance, mas sim de adolescentes perdidos, com problemas de ansiedade, depressão e muitos outros. Você acompanha a história pelos olhos de uma personagem com TOC e começa a compreender bem melhor a solidão e o desespero que pessoas com esse problema possuem.

Todo dia, David Levithan (resenha)todo dia

Uma pessoa não possui corpo: todos os dias, ela/ele amanhece em um corpo diferente, não importa se homem ou mulher, o corpo apenas possui sua idade e nada mais. E é dessa situação incrível e estranha que nasce um romance impossível. O livro também trata de assuntos importantes, como aceitação, sexualidade, homossexualidade, bissexualidade, bullying e abuso. Muito bom.

Clube dos Herdeiros: Como nossos pais, Fabiana Madruga (resenha)

O casal “errado” desse livro me conquistou. Eu não esperava gostar tanto (na verdade, nem um pouco) de um livro de romance cujas protagonistas são duas amigas super ricas e “patricinhas” da alta sociedade carioca. Mas o livro vai muito além disso e prova que podemos sempre estar errados em julgar apenas pela superfície. Uma história envolvente, que certamente me conquistou.

Preteridos

50 tonsCinquenta Tons de Cinza, E. L. James

Tão ruim que nem mereceu uma resenha. Só li por causa de um desafio com as meninas aqui no blog, mas foi um suplício chegar ao final. Uma escrita pobre e enjoativa, com cenas de sexo repetitivas, personagens fracos e situações no mínimo bizarras (aquela cena do contrato!); não é um romance, mas sim a romantização do abuso.

A Garota do Calendário – Janeiro, Audrey Carlan

Eu disse para mim mesma que não ia ler esse livro, mas paguei minha língua, uma vez que ele apareceu grátis e eu baixei. Li e… bem, foi uma total perda de tempo. Consegue ser talvez ainda mais mal escrito que o Cinquenta Tons de Cinza, sem nenhum desenvolvimento e ainda por cima é em doze volumes (DOZE!), o que só me faz acreditar que não passa de um moneygrab. Só ganhou alguns pontinhos porque não é romantização do abuso (pelo menos esse volume).

ugh

Proibido, Tabitha Suzuma (resenha)

Tem muita gente que ama esse livro e provavelmente pode me odiar, mas não dá. Meu problema com ele é que ele não trata o relacionamento dos dois irmãos como amor, um amor proibido, como se propõe; não, o relacionamento está mais para dependência mesmo, o que me incomodou muito. A coisa toda mais parece uma obsessão, algo que separa os dois do mundo ao redor, como se só os dois existissem, e isso não é nada saudável. A mensagem que o livro me passou foi que somente pessoas danificadas podem se apaixonar por seus irmãos, sendo que eu esperava que a autora quebrasse o tabu, não o reforçasse.

Claro que te amo!, Tammy Luciano (resenha)

Esse livro é tão sem graça! A história dele é sem graça, a protagonista é sem graça. Ugh! E tem um monte de incoerências, uma personagem que absolutamente fica esperando as coisas caírem do céu e ainda é recompensada, como se a felicidade fosse algo aleatório e não conquistado. Me poupe.

Belo Desastre, Jamie McGuire (resenha)

Dono da resenha mais polêmica, visualizada e comentada até hoje no blog, esse talvez seja o livro que mais detestei na vida. Mais até que os outros que mencionei acima (alguns nem foi detestar, foi só… meh). Mas não tem como não ficar revoltada com Belo Desastre. Os protagonistas são pessoas horríveis, especialmente aquele Travis – ugh! -, que é o pior tipo de homem, 100% machista. O livro é uma sequência de abusos psicológicos, e eu me senti ultrajada lendo. É completamente revoltante.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


  • Biah disse:

    A primeira pessoa que concorda cmg qnt a 50 tons. Não é nem a história em si mas o fato de o livro ser tão mais escrito, e as às cenas de sexo tão repetitivas e enfadonhas que me obrigou a saltar páginas pra ver se conseguia terminar a leitura. Detestei.
    Os outros não conheço. Mas estou louca pra ler proibido.

  • Karen disse:

    Aeeeew! Nossa, 50 tons é muito chato. Algumas cenas de sexo dão sono.
    (E eu super concordo também com seu comentário na Sexta do Sebo sobre “Como eu era antes de você”. Quase que ele entrou para essa lista, viu?)

  • Marília Sena disse:

    Eu super concordo com Proibido, acredito que esse livro tinha potencial para ser muito especial.
    Ah, sabe o que eu fico curiosa para saber? A sua opinião a respeito de Outlander. Já leu algum livro?

  • Karen disse:

    Nossa, Marília, eu não tenho a mínima vontade de ler Outlander. Ele mistura dois gêneros que eu não me dou bem: fantasia e romance. Sozinhos, até vai… Mas juntos? Prefiro não ler.

  • Lana Silva disse:

    Fala sério enquanto você ler romance para sair da sua zona de conforto, eu tenho que ler outro gênero, porque só leio romance, então sou Expert no assunto. Brincadeiras a parte dos citados acima li apenas Belo Desastre e é claro que me apaixonei pelo Maddox, e quero ler toda a série. Quero muito ler Proibido, Claro que te Amo, Todo Dia, e Garota do Calendário.

  • Maristela G Rezende disse:

    Já li A Culpa é das Estrelas, Cinquenta Tons de Cinza, tenho Belo Desastre mas ainda não li. quero muito ler: Todo Dia e Clube dos Herdeiros: como nossos pais. Não conhecia Uma história de amor e TOC, que parece-me ser interessante.

  • Shadai disse:

    desses só li Todo Dia, e é muito bom, mesmo!
    tenho Proibido, mas estou adiando ao máximo essa leitura, pois acho que vou me sentir mal por ser romance entre 2 irmãos, bem estranho e até de mau gosto, mas beleza!

  • Milena Soares disse:

    Eu li Cinquenta Tons de Cinza, Proibido e Belo Desastre, A Garota do Calendário ainda estou pensando se leio ou não, doze livros, já me desanimo,sou doida pra ler Uma história de amor e TOC e Todo dia.

PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO PARA DEIXAR SEU COMENTÁRIO




Mensagem